O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player





Selecione uma letra ao lado!
Verbetes M

MANOEL ANTUNES DE SALLES
Nasceu em 1º de janeiro de 1817 em São Cristóvão/SE, filho de Manuel Ciríaco de Salles e Maria Rosa de São José Salles. Iniciou o curso de medicina na Bahia, tranferindo-se para Bruxelas, na Bélgica, onde se formou em 1844. Especializou-se em doenças tropicais. Lá conheceu a Srta. Josephine Le Roy, belga, com quem se casou. Retornou a Sergipe e montou consultório em uma casa assobradada localizada na antiga Rua do Barão, onde hoje fica o Cine Rio Branco. Na parte térrea do sobrado ficava seu consultório e na parte superior ele residia com a família. Teve participação na política estadual, tendo sido deputado provincial no biênio 1854/1855; foi vice-presidente da Província, cirurgião do Exército, da Guarda Nacional e do Corpo Policial, sendo que estas funções militares foram exercidas no Rio Grande do Sul. De volta a Sergipe, foi chefe da Enfermaria de Aracaju, onde se destacou na luta contra a epidemia do “cólera-morbus” em Propriá/SE, Lagarto/SE e Aracaju. Faleceu em 3 de fevereiro de 1864, em Aracaju/SE, com 47 anos.
MANOEL BAPTISTA ITAJAY
Nasceu em 28 de junho de 1860 em Lagarto/SE, filho de João Batista de Jesus e Joaquina Maria do Sacramento. Formou-se em 18 de dezembro de 1886, pela Faculdade de Medicina da Bahia, defendendo a tese “Dysenteria”. Após a formatura, passou a clinicar em Itabaiana, exercendo as funções de chefe político na cidade de uma vertente política conhecida como “cabaús”. Foi vice-presidente do Estado (1908-1911), deputado estadual em várias legislaturas, tendo sido constituinte de 1892. Foi inspetor de higiene (Secretário de Saúde) no governo Siqueira de Menezes (1911 – 1914). Escreveu “A luz da verdade”. Faleceu em 31 de janeiro de 1918, em Aracaju , com 59 anos. Enterrado no Cemitério Santa Isabel, Aju/SE.

MANOEL CARLOS DE GOUVEA
Nasceu em 25 de dezembro de 1891 em Aracaju/SE, filho de Ricardo Viviano de Gouvêa e Clotilde Soares de Gouvêa. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 10 de janeiro de 1919 defendendo a tese “Da síndrome neurastênica”. Colaborou nos jornais “Diário de Noticias” e “Jornal de Noticias”, ambos da Bahia.

MANOEL CARLOS NETTO SOUTO
Nasceu em 11 de janeiro de 1914, na cidade do Rio de Janeiro, filho de Manoel Dutra Souto e Maria Netto Souto. Formou-se pela Faculdade Nacional de Medicina/RJ, em 1937. Fez Residencia Médica na Santa Casa de Misericórdia e aperfeiçamento na Escola de Saúde do Exército em 1938. Em 1939,foi transferido para Aracaju, atuando como cirurgião geral do Hospital Santa Isabel até 1954. Teve atuação destacada no atendimento às vítimas dos navios brasileiros torpedeados por submarinos alemães no litoral sergipano, recebendo por isso a Medalha de Guerra do Exército Brasileiro. Retornou ao Rio de Janeiro em 1954 atuando como cirurgião e chefe do Serviço da Santa casa de Misericórdia do Rio de Janeiro até 1991, ano do seu falecimento. Foi General de Divisão Médica do Exército, membro da Academia Brasileira de Medicina Militar, recebendo ainda a Medalha de Pacificador do Exército Brasileiro e a Medalha do Mérito Militar. Faleceu em 23 de março de 1991, na cidade do Rio de Janeiro, com 77 anos. 


MANOEL CORREIA DE CRASTO FILHO
Nasceu em 26 de setembro de 1948, em Recife/PE, filho de Manoel Correia de Crasto e Judice Costa de Crasto. Formou-se pela Universidade Federal do Ceará em 30 de junho de 1976. Especializou-se em ortopedia e traumatologia. Em 25 de maio de 1981 transferiu-se para Sergipe, atuando como médico do trabalho em Rosário do Catete. Faleceu em 1987.

MANOEL DE FARO PASSOS
Nasceu em dezembro de 1865 em Rosário do Catete/SE, filho de José Ferreira Passos e Thereza de Faro Passos. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 4 de dezembro de 1890, defendendo a tese “Estudos clínicos dos abscessos do fígado”. Atuou em São Paulo, Buenos Aires, Montevidéu e em sua terra natal. Faleceu em 1º de julho de 1912, em Salvador/BA , com 47 anos.

MANOEL FERNANDES DA SILVEIRA
Nasceu em 8 de novembro de 1858 em São Cristóvão/SE, filho de Manoel Fernandes da Silveira e Felismina da Silveira Sobral. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 1890 defendendo a tese “Estudo clínico do raquitismo”. Atuou no Rio de Janeiro, onde também foi deputado estadual (1913).

MANOEL HUGO DE ARAÚJO
Nasceu em 1º de abril de 1929, em Piancol/PB, filho de Olegário de Souza Quinho e Edite de Araújo Silva. Formou-se pela Faculdade de Medicina de Recife em 1952. Atuou nas cidades de Alagoa Grande/PB, Salgueiro e Arcoverde, ambas em Pernambuco. Em 1958, realizou curso de especialização na Escola de Saúde Pública em São Paulo. Após concluir o curso, passou a atuar na unidade sanitária do SESP em Propriá/SE, onde constituiu família. Transferiu-se para Aracaju, atuando como sanitarista e médico clínico do Dispensário de Tuberculose da Secretaria de Saúde. Aposentou-se de suas atividades em 1993. Faleceu em 25 de dezembro de 2009, em Aracaju, com 80 anos.

MANOEL JOAQUIM FERNANDES DE BARROS
Nasceu em 17 de março de 1802, em Penedo/AL, filho de José Fernandes Chaves e Thereza de Jesus Barros Leite. Iniciou os primeiros estudos em Penedo, concluindo os preparatórios no Seminário Episcopal de Olinda. Em 1922, foi estudar na Europa. Doutorou-se em medicina pela Faculdade de Strasburgo, Alemanha, defendendo a tese “Análise Comparativa de Ossos de Diversos Animais”. Doutor em Ciências Físicas pela Universidade de Paris e Bacharel em Direito. Formou-se ainda em engenharia de minas pela Universidade de Sorbonne, na França. Foi discípulo de Gay Lussac. Percorreu boa parte da Europa. Em 1928 retornou ao Brasil e casou com uma sergipana, vindo residir em Sergipe, no Engenho Jesus, Maria e José, município de Laranjeiras. Homem de cultura invulgar, rico proprietário de terras, acabou se envolvendo com a política local, chegando ao cargo de Presidente da Província entre 1835/1836, tentando realizar uma administração modernizadora, principalmente no setor educacional. Participou da Revolta de Santo Amaro do lado perdedor, e por questão de herança, tornou-se inimigo do chefe político adversário. Em viagem para o Rio de Janeiro, na passagem pela Bahia, foi assassinado em 02 de outubro de 1840, no Campo da Pólvora, com apenas 36 anos.

MANOEL JOSÉ BOMFIM
Nasceu em 8 de agosto de 1868 em Aracaju/SE, filho de Paulino José do Bomfim e Maria Joaquina do Bomfim. Formou-se em medicina pela Faculdade do Rio de Janeiro em 1890, defendendo a tese “Das Nefrites”. Autor de várias obras: “América Latina: Males de Origem” (1905); “O Brasil na América” (1929); “O Brasil na História” (1931) e “O Brasil Nação: Realidade da Soberania Brasileira (1932)”. Deputado federal por Sergipe (1907) e Secretário de Educação do Distrito Federal. Foi condecorado pelo rei da Bélgica com a Ordem de Leopoldo em 1918. Redator do “Republica” (RJ, 1896), “Pedagogium” (RJ, 1897), “Educação e Ensino”, fundou a “Universal” (1901). Colaborou na “Notícia”, “Tribuna”, “Jornal do Commercio”, “Illustração Brasileira”, “O Paiz” (RJ). Escreveu: “Parecer sobre as águas do rio Poxim”, “Compendio de Zoologia”, “Alucinações auditivas dos perseguidos”, “Olavo Bilac”, “O ciúme”, “A obra do germanismo”, “Noções de Psychologia”. Foi considerado por Darcy Ribeiro, como o fundador da antropologia brasileira. Instalou o primeiro laboratório de psicologia experimental do Rio de Janeiro. Faleceu em 21 de abril de 1932, no Rio de Janeiro/RJ, com 63 anos.

MANOEL JOSÉ LEAL
Nasceu em 21 de maio de 1942, em Nossa Senhora das Dores/SE, filho de Beliene de Andrade Leal. Formou-se pela Faculdade de Medicina de Sergipe em 28 de dezembro de 1969. Especializou-se em neurologia e exerceu atividades de pesquisa, sendo inventor do aparelho denominado de “moxabustão indireta”, projetado para o tratamento de afecções várias, utilizando os pontos de “do-in”, que foi patentado internacionalmente sob número A61B 17/36. O funcionamento do equipamento consistia na estimulação da pele através de rodelas de gengibre e chegou a ser apresentado em sessão científica na Sociedade Médica de Sergipe em 1995. Faleceu em 6 de março de 2003, em Aracaju/SE, com 60 anos.

MANOEL LADISLAU ARANHA DANTAS
Nasceu em 27 de junho de 1810 em São Cristóvão/SE, filho de Polycarpo José de Santa Rita Dantas e Maria Rosa Rita Dantas. Formado pela antiga Escola Médico-Cirúrgica da Bahia em 06 de dezembro de 1832, recebendo o grau de doutor em medicina em novembro de 1835, pela recém criada Faculdade de Medicina. O primeiro sergipano formado em medicina. Em 1866, já em idade avançada, serviu na Guerra do Paraguai, nos hospitais de sangue. Foi “lente” substituto da secção cirúrgica desde 1833 e, posteriormente, professor de patologia externa da Faculdade de Medicina da Bahia entre 1837 e 1873. Médico de grande prestígio na Bahia tendo recebido várias condecorações. Agraciado com o oficialato da Ordem da Rosa, e com o hábito da Ordem de Cristo pelos serviços prestados durante a epidemia de cólera. Foi Presidente interino da Comissão de Higiene Pública e Membro do Conselho da Instrução Pública da Bahia. Teve sua biografia escrita por Alexandre Herculano, publicada em 1881. Publicou “Curso de Patologia Externa”, livro texto para os estudantes de medicina, coisa pouco comum naquele momento, de dezenas de trabalhos e artigos publicados na imprensa da época, entre os mais importantes: “Memória da Faculdade de Medicina da Bahia, ano de 1855”; “As Feridas Envenenadas”; “O Veneno das Cobras”. É patrono da Academia Sergipana de Letras, seu quadro em óleo sobre tela faz parte da galeria dos professores catedráticos e titulares da sala de congregação da Faculdade de Medicina da Bahia, da qual foi o segundo memorialista. Faleceu em 4 de novembro de 1875, na Bahia, com 65 anos. Sepultado no Cemitério da Quinta dos Lázaros, Salvador/BA.

MANOEL MESSIAS DA CUNHA JUNIOR
Nasceu em 28 de agosto de 1955, em Santo André/SP, filho de Manoel Messias da Cunha e Maria do Céu Cortez da Cunha. Formou-se pela Faculdade de Medicina de Teresópolis/RJ, em 13 de julho de 1985. Atuou em Aracaju a partir de 1988. Faleceu em 8 de setembro de 1992, com 37 anos.

MANOEL PAES DE AZEVEDO
Nasceu em 22 de janeiro de 1882 no povoado Santa Rosa, em Divina Pastora/SE, filho de Augusto Paes de Azevedo e Auta de Sousa Azevedo. Formou-se em medicina no Rio de Janeiro, em 3 de abril de 1908, defendendo a tese “Neurastenia e falsas neurastenias”. Escreveu: “O exame do muco nasal na pesquisa do bacilo de Hansen”, “O problema da transmissibilidade da lepra”, “A febre de Malta no Brasil”. Foi interno do Hospital Nacional de Alienados. Especializou-se em lepra. Chefiou o laboratório da clínica oftalmológica do famoso médico sergipano Abreu Fialho e atuou como pesquisador do Instituto de Higiene em São Paulo e da Fundação Rockfeller, percorrendo o Brasil estudando o mal de Hansen. Exerceu vários cargos de saúde pública no Rio de Janeiro e em São Paulo. Faleceu, solteiro, em 5 de dezembro de 1935, no Rio de Janeiro, com 53 anos.

MANOEL PRUDENTE DANTAS
Nasceu em 15 de abril de 1852, em São Cristóvão/SE, filho de José Correia Dantas e Dona Maria Rosa Dantas. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em dezembro de 1873, defendendo a tese “Como reconhecer se houve aborto num caso de Medicina Legal”. Ainda escreveu: “Do emprego das emissões sanguíneas na pneumonia”, “Teoria da osteogenia e da regeneração do osso” e “Das observações termométricas no estudo da tísica pulmonar”. Foi lente de clínica propedêutica na Faculdade que se formou. Faleceu em 26 de janeiro de 1893, em Murutiba/BA, com 41 anos.

MANOEL SALUSTINO NETO
Nasceu em 4 de outubro de 1907 no Sítio Jurupaity em Currais Novos/RN, filho de Tomaz Salustino Gomes de Melo e Teresa Bezerra Salustino. Iniciou o curso de Medicina em Recife, concluindo na Faculdade de Medicina da Bahia em 1933. Iniciou sua atuação médica como clínico geral em Penedo/AL onde permaneceu por um ano indo em seguida realizar curso de especialização em Buenos Aires, na Argentina, onde permaneceu por um ano retornando para Lagarto/SE e finalmente radicando-se em Simão Dias. Foi um grande colecionador de animais empalhados que guardava em um quarto no casarão em que morava nesta cidade. Residiu por um ano (1944) em Currais Novos, retornando a Simão Dias/SE no ano seguinte, onde permaneceu até os últimos dias de vida. Faleceu em 27 de junho de 1989, em Aracaju/SE, com 82 anos.

MANOEL SANTOS DE AGUIAR
Nasceu em 15 de maio de 1905, em Nazaré/BA, filho de Domingos Valente de Aguiar e Guiomar Santos de Aguiar. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 1927. Integrou o Departamento de Saúde Pública de Sergipe a partir de 5 de setembro de 1931 e o Departamento Nacional de Saúde a partir de 27 de dezembro de 1943. Foi chefe de Distrito Sanitário.

MANUEL BAPTISTA VALLADÃO
Nasceu em 19 de novembro de 1829 em Neópolis/SE, filho de Manuel Baptista Valladão e Maria Joaquina de Sant’Anna Valladão. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 1857 defendendo a tese “Quais as circunstâncias que modificam a ação dos medicamentos?”. Participou ativamente na Guerra do Paraguai nas batalhas de Riachuelo e Corrientes, sendo condecorado com a Imperial Ordem do Cruzeiro, Ordem de Cristo e Ordem da Rosa, medalha de prata pelo combate naval de Riachuelo. Faleceu em 4 de agosto de 1874, no Rio de Janeiro/RJ, com 43 anos.

MANUEL CARDOSO DA COSTA LOBO
Nasceu em 26 de setembro de 1836 em São Cristóvão/SE, filho de Inácio Antônio da Costa Lobo e Isabel Aranha Lobo. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 28 de novembro de 1860 defendendo a tese “Há na doutrina alopática algum sistema de medicação que possa apoiar os princípios da doutrina homeopática?”. Militar, atuou na Guerra do Paraguai, condecorado com a Ordem da Rosa, Ordem São Bento de Aviz, Ordem de Cristo, foi membro-honorário da Academia Nacional de Medicina e faleceu em 10 de outubro de 1890, no Rio de Janeiro/RJ, com 54 anos.

MANUEL CARLOS DE AZEVEDO RIBEIRO
Nasceu em 19 de dezembro de 1858, em São Cristóvão/SE, filho de Manuel Carlos de Azevedo e Leopoldina Brasilina Ribeiro de Oliveira. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 1882 defendendo a tese “Da febre paludosa complicada do elemento typhico”. Foi militar, nomeado 2º Cirurgião do Corpo de Saúde da Armada em 24 de março de 1883. Faleceu em 24 de março de 1887, em  Pernambuco, com 29 anos, afogado no naufrágio do vapor Bahia.

MANUEL DANTAS
Nasceu em 15 de abril de 1852, em São Cristóvão/SE, filho de José Corrêa Dantas e Maria Rosa Dantas. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 1873 defendendo a tese “Do emprego das emissões sanguíneas na pneumonia: dissertação”. Foi militar e professor da Faculdade de Medicina da Bahia e deputado estadual também pela Bahia. Faleceu em 26 de janeiro de 1893, em Muritiba/BA, com 41 anos.

MANUEL DE FARO PASSOS
Nasceu em dezembro de 1865 em Rosário do Catete/SE, filho de José Ferreira Passos e Thereza de Faro Passos. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 4 de dezembro de 1890, defendendo a tese “Estudos clínicos dos abscessos do fígado”. Atuou em São Paulo, Buenos Aires, Montevidéu e em sua terra natal. Faleceu em Salvador/BA em 1º de julho de 1912, com 47 anos.

MANUEL DE MARSILLAC MOTTA
Nasceu em 24 de dezembro de 1875, em Aracaju/SE, filho do farmacêutico Pedro Amâncio de Almeida Motta e Maria Emília de Marsillac Motta. Formou-se pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 15 de abril de 1901, defendendo a tese “Das descargas motoras na epilepsia essencial, suas vantagens e danos”. Clínico de reputação firmada em Aracaju e como militar chegou ao posto de Capitão. Foi professor de fisiologia da Escola de Veterinária do Exército e Diretor do Sanatório Militar de Lavrinhas. Exerceu o mandato de deputado estadual, durante o Governo de Manoel Dantas. Faleceu em 22 de agosto de 1939, em São Cristóvão/SE, com 64 anos.

MANUEL MARTINS DOS SANTOS PENNA
Nasceu em 22 de abril de 1831 em São Cristóvão/SE, filho de José Martins Penna e Silvana Firme dos Santos Penna. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 20 de dezembro de 1855, defendendo a tese “Alcoolatos, alcoolados e aterolados e em que se distinguem entre si”. Foi médico do exército (1861-1866) atuando no Rio grande do Sul. Atuou na Guerra do Paraguai e foi condecorado com a Ordem da Rosa. Faleceu em 14 de fevereiro de 1915, em Porto Alegre/RS, com 84 anos.

MANUEL MOREIRA DA COSTA
Nasceu em 31 de janeiro de 1928 em Vilar do Pinheiro-Vila do Conde, em Portugal, filho de Januário da Costa e Emília Rosa Moreira. Formou-se em medicina no Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal da Paraíba em 1976. Graduado também em Psicologia em 1976. Especializou-se em Medicina Aplicada à Educação Física e Desportos em 1977 e em Fisiologia pela Universidade Federal de Minas Gerais. Defendeu tese de mestrado com o tema “Estudo da Manutenção da Fase Estável do Consumo de Oxigênio no Exercício de Longa Duração, em Indivíduos não Treinados”. Doutorado na área de fisiofarmacologia cardiopulmonar e muscular no esforço”. Foi professor da Universidade Federal da Paraíba de 1978 a 1997. A partir de 1998 passou a lecionar na Universidade Tiradentes/SE, atuando também na “Nossa Clínica”.

MANUEL RAYMUNDO DE MELLO MENEZES
Nasceu em setembro de 1864 em Itabaiana/SE, filho de Manuel Gaspar de Mello Menezes e Cordula Accioly de Menezes (irmã do Barão de Aracaju). Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 3 de maio de 1886, defendendo a tese “Delivramento artificial”. Atuou em Minas Gerais, falecendo em Uberaba/MG em 14 de julho de 1898, com 34 anos.

MANUEL SIMÕES DE MELLO
Nasceu em 8 de maio de 1827 em Capela/SE, filho de João de Mello Rezende e Anna Maria de Mello. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 18 de dezembro de 1852, defendendo a tese “Breves reflexões higiênicas sobre o casamento”. Trabalhou em Capela e em Itabaiana/SE. Na política exerceu o cargo de 4º Vice-presidente de Província e deputado constituinte, como militante do Partido Conservador. Posteriormente se dedicou à vida do campo, dirigindo o engenho Dira, de sua propriedade. Faleceu no Engenho Dira, em 18 de julho de 1905, em Itaporanga/SE, com 78 anos.

MANOEL XAVIER DE FIGUEIREDO MONTE
Nasceu em 3 de abril de 1886, em Nossa Senhora das Dores/SE, filho de José Gomes de Figueiredo Monte e Maria Rosa de Figueiredo Monte. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em dezembro de 1926. Atuou no Hospital São Vicente de Paula, em Propriá/SE. Registrado no Departamento de Saúde Pública de Sergipe em 15 de julho de 1931, sob o comando do Dr.José Rodrigues Bastos Coelho. Faleceu em 15 de agosto de 1962, em Propriá/SE, com 76 anos. Formou-se em Farmácia pela Fac. Med. da BA (dezembro de 1907).

MÁRCIA MARIA DANTAS DE OLIVEIRA
Nasceu em 7 de novembro de 1955, em Propriá/SE, filha de Manoel Fernandes de Oliveira e Maria Dantas Oliveira. Formou-se pela Escola de Ciências Médicas de Alagoas em 19 de dezembro de 1981. Faleceu em 31 de dezembro de 1995, com 40 anos de idade.

MÁRCIO RODRIGO CARDOSO SANTOS
Nasceu em 17 de outubro de 1980 em Cabo Frio/RJ, filho de Manoel Messias Santos e Gilsa Maria Cardoso Santos. Formou-se pela Universidade Federal de Sergipe em 17 de setembro de 2004. Atuou na Fundação SESP em Muribeca/SE. Faleceu em 24 de dezembro de 2007, em Aracaju/SE, com 27 anos. Sepultado no Cemitério Santa Isabel, Aju/SE.

MARCOS AURÉLIO PRADO DIAS
Nasceu em 18 de outubro de 1944, em Aracaju/SE, filho do jornalista Antonio Conde Dias e Natália Prado Dias e irmão dos médicos Lucio Antonio Prado Dias e Magali Dias de Carvalho. Formou-se pela Faculdade de Medicina de Sergipe em 1969. Especializou-se em cirurgia geral e coloproctológica com a professora Angelita Habr Gama (USP), recebendo o título de Mestre do Colégio Brasileiro de Cirurgiões. Fundou a Sociedade Sergipana de Coloproctologia e foi seu primeiro presidente. Presidiu o Capítulo Sergipano do Colégio Brasileiro de Cirurgiões por duas vezes. Foi vice-presidente da Sociedade Médica de Sergipe de 1985 a 1989. Coordenou a Perícia Médica do INSS e foi diretor do Posto Médico do INAMPS da Rua Geru. Presidiu a Fundação Hospitalar de Sergipe e o Instituto Parreiras Horta. Foi Secretário de Estado da Educação por duas vezes, nos governos Antonio Carlos Valadares e João Alves Filho. Foi ainda Secretário de Estado da Administração no segundo governo de João Alves Filho. Escritor e compositor. Atuou como professor das disciplinas de Anatomia e Clínica Cirúrgica na Faculdade de Medicina de Sergipe até se aposentar em 2006. Fundador e ex-presidente da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores - Regional Sergipe. Membro titular da Academia Sergipana de Medicina, onde ocupa a cadeira de número trinta e nove, que tem como patrono o Dr. João Gilvan Rocha. Faleceu em 23 de setembro de 2012, em Aracaju, com 67 anos, e sepultado no Cemitério Colina da Saudade, em 24 de setembro de 2012
 
 
MARCOS TELES DE MELO
Nasceu em 26 de dezembro de 1934, em Rosário do Catete/SE, filho de Mizael Alves de Melo e Graziela Teles de Melo. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 1959. Fez pós-graduação em cardiologia no St.Joseph’s Hospital em Syracuse – New York, Methodist Hospital de Indianápolis – Indiana e no American College of Cardiology em Washington-DC, todos nos Estados Unidos da América. Fez curso de especialização ainda no Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia/SP. Foi Secretário da Saúde do Município de Aracaju e exerceu cargos de chefia em órgãos federais de saúde. Em 1988 recebeu a comenda de Oficial da Ordem do Mérito Serigy da Prefeitura de Aracaju. Reside atualmente em Aracaju.

MARGARIDA DINIZ FRANCO – nasceu  em 6 de janeiro de 1943, em Aracaju, filha de José Augusto Diniz de Aguiar Dantas e Margarida Melo Diniz. Formou-se pela Faculdade de Ciências Médicas da UFS em 1968. Especializou-se em pediatria. É um dos fundadores da Clínica Sobaby em 1973, ao lado de Byron Ramos, Bráulio Abreu e José Augusto Lisboa, referência na assistência pediátrica privada no estado de Sergipe.

MARIA BETÂNIA MELO DE OLIVEIRA
Nasceu em 28 de junho de 1954, em Aracaju/SE, filho de Antônio Oliveira e Maria Antonieta Melo de Oliveira. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Sergipe em 11 de agosto de 1978. Exerceu a especialidade de clínica geral. Faleceu em 26 de agosto de 1988, com 34 anos, em Aracaju/SE. Sepultada no Cemitério Cruz Vermelha, Aju/SE.

MARIA DA GRAÇA SILVA PEREIRA
Nasceu em 15 de agosto de 1949, em Salvador/BA, filha de João José da Silva e Maria Alcina da Silva. Formou-se pela Escola de Medicina e Saúde Pública de Salvador em 3 de dezembro de 1972. Solicitou inscrição no Cremese em 14 de janeiro de 1988, atuando na Prefeitura de Aracaju. Faleceu em 2 de janeiro de 1992, em Salvador/BA, com 52 anos.

MARIA DE LOURDES DA ROCHA SANTOS BURGOS
Nasceu em 26 de fevereiro de 1929, em Riachuelo/SE, filha de João Francisco do Santos e Rita Dantas da Rocha. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 14 de dezembro de 1950. Ginecologista e homeopata. A partir de 1956 passou a ser responsável pelos serviços da Clínica Ginecológica do Hospital das Clínicas da Universidade da Bahia. Em 1966, iniciou suas atividades como auxiliar de ensino e professora-assistente do Departamento de Cirurgia, na disciplina de ginecologia, da Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia. Em 1987 passou à condição de professora adjunta. Sua grande atuação na ginecologia social baiana, ao lado do esposo Jair Francisco Burgos, ilustre ginecologista baiano, tornou-a personagem de um dos livros de maior sucesso do escritor Jorge Amado, “Dona Flor e seus dois maridos”, como a ginecologista de Dona Flor. Em 1987 recebeu homenagem especial da Associação Baiana de Medicina. Publicou os livros “37 anos com Jair Francisco Burgos, o escultor da pelva feminina”, “Era uma vez”, Cantigas de roda” ,“Cartilha da Mulher”, “Natal” e “ Minha querida faculdade de medicina - um divisor de águas em minha vida”. Faleceu  em Salvador/BA em ..........

MARIA DO CÉU SANTOS PEREIRA
Nasceu em 12 de maio de 1913, em Aracaju/SE, filha de Manoel Cândido dos Santos Pereira e Eliphia de Castro Pereira. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 27 de novembro de 1941, ali registrada como a septuagésima mulher a formar-se naquela escola e retornou a Aracaju, ainda recém-formada, convidada pelo Doutor Augusto Leite para trabalhar no Hospital de Cirurgia, onde exerceu a ginecologia durante 30 anos e ajudou na criação do Serviço de Câncer daquele nosocômio, sendo uma das pioneiros da cancerologia em nosso Estado. Chegou ainda a exercer a atividade de anestesia neste hospital. Ganha uma bolsa de estudos para a Escola Normal de Educação Física e Desportos da Universidade do Brasil, no Rio de Janeiro. Estabelece duradoura amizade com Maria Lenk, sua contemporânea de estudos e campeã mundial de natação. Diploma-se em março de 1944 como médica especializada em Educação Física. Retorna para Aracaju, sendo contratada pelo Departamento de Educação do Estado para o Serviço de Educação Física, no governo do Doutor José Rollemberg Leite. Publicou, dentre outros, os seguintes trabalhos: “Estrogenioterapia” e “Valor da colposcopia no diagnóstico do câncer ginecológico”. Empresta seu nome a um posto de saúde no município de Aracaju. É patrona da Cadeira vinte e sete da Academia Sergipana de Medicina. Faleceu em 14 de março de 1982, em Recife/PE, com 68 anos.

MARIA JANETE FIGUEIREDO ELLICE - Nasceu em 28 de julho de 1944, em Propriá/SE, filha de Sebastião Aguiar Figueiredo e Lucinda Sá Figueiredo. Formou-se pela quarta turma da Faculdade de Medicina de Sergipe em 2 de janeiro de 1969, tendo como colegas os médicos Marcos Prado, Byron Ramos, Marília Oliveira Ramos, Geraldo Melo e Hélio Araújo, entre outros. Atuou na área de clínica médica. Irmã de Jackson de Sá Figueiredo, que teve militância política em Sergipe, falecido há alguns anos e Sebastião Figueiredo, jornalista e professor da UFS. Seu corpo foi cremado em 16 de maio de 2011.

MARIA ROSA DA SILVA MENDONÇA - Nasceu em 24 de outubro de 1938, em Salgado, SE, filha de Jovino Pereira da Silva e Maria Alexandre Filha. Aluna da primeira turma de Medicina da nossa Faculdade, formou-se em 1966. Em 1970 casou-se com o médico Sálvio Paiva Mendonça e com ele teve três filhos, 2 médicos, Raquel e Sálvio e uma odontóloga, Rosa. Fez o curso primário na Escola Isolada número 1, de Salgado, sendo aluna da professora Palmira, mãe de Maria Anaide Freitas. O curso ginasial e científico foi no Atheneu. Médica aposentada do INAMPS e também da Secretaria de Estado da Saúde, manteve consultório particular aposemtando-se completamente de suas funções. 

MARIDÉLIA GENTILE GUEDES DA SILVA
Nasceu em 3 de novembro de 1937, em Aracaju/SE, filha do médico Benedicto de Oliveira Guedes e Ledina Gentil Guedes e irmã dos médicos Marbene Guedes Machado e Antônio Guedes Machado. Formou-se pela Faculdade de Medicina de Pernambuco em 8 de dezembro de 1963. Atuou em Recife no Instituto Materno Infantil de Pernambuco. Regressou a Aracaju em 1964 onde atuou no IAPC e no IAPI. Pediatra do Posto de Saúde Dona Jovem, sendo responsável pela introdução da hidratação venosa no tratamento da desidratação infantil em Aracaju, em 1965. Fez neonatologia no Hospital Santa Isabel e no Hospital São José onde implantou a primeira sala de internamento pediátrica. Atou ainda no Centro de Reabilitação Ninota Garcia. Aposentou-se do Inamps em 1993. Reside em Aracaju onde mantém consultório privado.

MÁRIO MACHADO DE LEMOS
Nasceu a 03 de dezembro de 1920, na Fazenda Paraúna, Brejo Grande/SE, filha de Manoel Machado de Lemos e Isaura Machado de Lemos. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia na turma de 1946. Especializou-se em Saúde Pública. Foi Secretário de Saúde do Estado de São Paulo por duas vezes ( 1966-67 e 19771-75) e Ministro da Saúde de 1972 a 1974, no Governo do Presidente Emilio Garrastazu Médici. No seu mandato, construiu em Sergipe 17 postos de saúde pública. Foi funcionário da Organização Mundial de Saúde e chefe da Organização Panamericana de Saúde em muitos países da América Latina. Somente no Chile supervisionou 32 projetos relacionados com projetos relacionados com problemas de saúde pública, educação médica e pesquisas científicas. Recebeu a Ordem do Mérito Médico, em março de 1967. Possui vários trabalhos publicados.

MASOUD JALALI
– nasceu em 14 de Julho de 1943, em Kashan, no Irã. Formou-se inicialmente em engenharia em Teerã em 1966. Chegou ao Brasil em dezembro de 1968, desembarcando em Recife, com a missão de difundir os princípios Fé Bahá´í de Paz e Unidade da Humanidade no país.Ingressou na Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Sergipe em 1973, colando grau em dezembro de 1978. Especializou-se em ginecologia e obstetrícia na Universidade Federal da Paraíba, de 1978 a 1980, fazendo mestrado em ginecologia na Unicamp, Campinas, de 1986 a 1988. Atuou em diversos públicos em São Paulo e em Sergipe, e neste estado nas cidades de Aracaju, como médico do Instituto de Previdência e em São Cristóvão, como médico do Programa de Saúde da Família. Esteve envolvido por 40 anos em trabalho voluntário na educação humana e espiritual de jovens, crianças e adultos, baseado nos ensinamentos de Bahá´u´lláh. Foi membro do Rotary Clube de São Cristovão por 15 anos.  Em 2 de abril de 2010, sendo sepultado em 5 de abril de 2010 no Cemitério Colina da Saudade, em Aracaju.

MARX DE CARVALHO ROCHA
Nasceu em 18 de julho de 1970, em Aracaju, filho de Marcélio Bomfim Rocha e Maria Geovanina de Carvalho Rocha. Formou-se pela Universidade Federal de Sergipe em 21 de outubro de 1995. Militar, atuou como Segundo Tenente. Faleceu em 7 de novembro de 1999, em Aracaju/SE , com 29 anos. Sepultado no Cemitério Colina da Saudade, Aju/SE.

MAXIMINO DE ARÁUJO MACIEL
Nasceu em 20 de abril de 1866 em Rosário do Catete/SE, filho de João Paulo dos Santos e Maria Clara dos Santos de Araújo Maciel. Formou-se pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 9 de setembro de 1901 defendendo a tese “As proporções do indivíduo humano e suas deduções médicas e alitrológicas”. Produziu vários escritos. Formou-se também em advocacia em 1894, também no Rio, onde foi professor e jornalista. Sócio do Instituto Histórico e Geográfico/SE. Colaborador do “O Século” (RJ), ”O Dia”, “Debate”, “Revista Didática”, “Diário da Manhã/SE. Escreveu: “Grammatica Analytica”, “Phylologia Portugueza”, “A Taxinomia Social”, “Lições de Botânica Geral”, “La medication urique dans la tuberculose”, “Diagnóstico precoce da tuberculose”. É patrono da Academia Sergipana de Letras. Faleceu em 2 de maio de 1923, no Rio de Janeiro/RJ, com 57 anos.

MAYRA CARDOSO TORRES DE CARVALHO
nasceu em 1º de outubro de 1943 em Aracaju, filha de Virgílio Gonçalves Torres Neto e Leilah Cardoso Raymundo, descendente de personalidades ilustres da vida sergipana, entre eles o governador Eronides Carvalho, seu tio-avô e o desembargador Hunald Santaflor Cardoso, avô materno. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Sergipe em 1970. Durante a graduação dedicou-se à cirurgia geral, acompanhando o Dr. Francisco Rollemberg no Hospital Santa Isabel. Fez internato e residência médica em cirurgia na Clínica São Vicente, sob a orientação direta do Prof. Fernando Paulino. Atuou nas áreas de cirurgia pediátrica no Hospital Jesus e neonatologia no CEPERJ – Centro de Prematuros, com o Prof.Dr. Nicola Albano. A partir da década de 90 dedicou-se à área de administração hospitalar, na Clínica Bambina Emergências, em Botafogo, de sua propriedade e inaugurou o Doctor Day-Hospital, na Barra da Tijuca. Faleceu em sua residência no Leblon, no Rio de Janeiro, em 20 de setembro de 2009, com 65 anos, cercada pelo carinho de familiares e amigos.

MELÍCIO RESENDE MACHADO – nasceu em 25 de novembro de 1939, em Aracaju/SE, filho de Melício de Souza Machado Filho e Maria Resende Machado. Em 1961 iniciou o curso superior na primeira turma da recém-fundada Faculdade de Medicina de Sergipe, concluindo o curso porém em Salvador. Atuou após a formatura como clínico no Departamento Estadual de Estradas e Rodagens – DER e em seguida passou a se dedicar à obstetrícia na Maternidade Francino Melo, do Hospital Cirurgia, da Maternidade João Firpo, do Hospital Santa Isabel, além das maternidades Hildete Falcão, Santa Lucia, Santa Helena e Renascença.

MILTON CALUMBY TOURINHO
Nasceu em 15 de agosto de 1913, em Salvador/BA, filho de Antonio Martins Tourinho e Maria Zaphira Calumby Tourinho. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 24 de novembro de 1938. Após a formatura, transferiu-se para Itabaiana, atuando ainda nas cidades sergipanas de Nossa Senhora das Dores, Nossa Senhora da Glória e Capela. Atuou como sanitarista e clínico geral. Faleceu em 17 de setembro de 2001, com 87 anos. Sepultado no Cemitério de Capela/SE.

MILTON DORTAS DE MENDONÇA
Nasceu em 4 de julho de 1910, em Simão Dias/SE, filho de Alexandre Pinto de Mendonça e Maria Rosa Dortas de Mendonça. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 14 de dezembro de 1936. Clínico e hansenologista. Atuou em Riachuelo de 1937 a 1957 onde dirigiu o Hospital São Vicente de Paula. Em 1957 ingressou no Serviço Nacional de Lepra. Dirigiu o Hospital Colônia Lourenço Magalhães, em Aracaju, até falecer. Escreveu “Hanseníase no Estado de Sergipe” (1977). Nomeia uma rua no bairro Coroa do Meio. Faleceu em 6 de julho de 1980, em Aracaju/SE, com 70 anos. Sepultado no Cemitério Santa Isabel, Aju/SE.

MILTON FONTES MAGARÃO
Nasceu em 1903 em Itaporanga d'Ajuda/SE. Formou-se pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1929. Tisiologista do Sanatório Valois Souto, em Correias/RJ de 1932 a 1937. Em 1935 fez especialização no Instituto Pasteur, em Paris, em bacteriologia da tuberculose, retornando em 1936 e organizando no Hospital São Sebastião/RJ um laboratório nesta área. No ano seguinte inaugurou o Laboratório Central de Tuberculose, permanecendo à frente do órgão por 33 anos. Assumiu o cargo de diretor do Departamento de Tuberculose da Secretaria de Saúde e Assistência do Estado da Guanabara, nos anos de 1962 e 1963. Após sua aposentadoria no órgão estadual, em 1973, assumiu a coordenação da Rede Nacional de Laboratórios de Bacteriologia da Tuberculose do Ministério da Saúde, permanecendo no cargo até 1976. Atuou como professor dos cursos de pós-graduação em tuberculose do Ministério da Saúde até 1975. Nomeado instrutor de ensino superior em 1962 e professor assistente, no período de 1968 a 1973, no Instituto de Tisiologia e Pneumologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. A Fundação Ataulpho de Paiva (FAP) também contou com a sua contribuição, sendo diretor técnico no período de 1972 a 1976, quando então passou a ocupar o cargo de presidente da instituição. Em sua gestão na FAP, implantou a liofilização da vacina intradérmica, que significou um grande avanço na produção e conservação da vacina. Denomina um centro de saúde no bairro do Engenho Novo/RJ. Faleceu em 1986, no Rio de Janeiro/RJ, com 83 anos. Membro da Academia Nacional de Medicina (1977).

MILTON GOMES MAGALHÃES
Nasceu em 13 de fevereiro de 1949, em Neópolis/SE, filho de Mário Gomes Magalhães e Afra Gomes Lima Guimarães. Formou-se pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Federal de Sergipe em 20 de janeiro de 1977. Atuou como angiologista. Faleceu em 1º de maio de 1991, em Aracaju/SE com 42 anos. Sepultado no Cemitério Santa Isabel, Aju/SE.

MILTON MEDEIROS
Nasceu em 1º de fevereiro de 1936, em Olhos d’Água das Flores/AL, filho de Antônio de Medeiros e Elisa Oliveira Medeiros. Formou-se pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Pernambuco em 1964. Contratado pela SESP, fez estágios em saúde pública em diversas cidades do Pará, entre elas Belém, Castanhal, Santarém e Capanema. Em seguida, foi transferido para Manaus onde permaneceu por dois anos, com passagem pela cidade de Cândido Mendes. Retornou para Maceió em 1970, onde atuou na Secretaria de Saúde do Estado. Fez curso em Saúde Pública em São Paulo. Regressando, assumiu a coordenação da 5ª Região Sanitária de Alagoas, com sede em Maragogipe. Atendendo convite do médico Josué Duarte, transferiu-se para Aracaju em 1972, para chefiar a Assessoria de Planejamento da Secretaria de Estado da Saúde, que era comandada pelo médico Jorge Cabral Vieira e nessa função permaneceu por seis anos. Coordenou o primeiro Projeto de Diagnóstico Epidemiológico do Estado de Sergipe. Médico concursado do Instituto de Previdência do Estado de Sergipe – IPES, aposentando-se do órgão no ano de 2000. Atuou ainda na Secretaria Municipal de Saúde de Aracaju, sempre envolvido com a área de estatística em saúde. Em 1995 iniciou atividades como médico Coordenador do Detran/SE até o ano de 2000, permanecendo posteriormente como médico perito examinador do órgão. Faleceu em 25 de junho de 2016, em Aracaju, sendo sepultado em Alagoas, na cidade natal.

MOACIR JOSÉ DA SILVA FREITAS
Nasceu em 19 de abril de 1934, em Salvador/BA, filho de Ângelo Basílio de Freitas e Djanira Pinto da Silva Freitas. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 1961, especializando-se em cirurgia geral. Atuou em Salvador no Hospital Prof. Edgar Santos até 1963, quando se transferiu para Aracaju atendendo convite do Dr. Wilson Franco Rocha, então diretor do Hospital Sanatório de Aracaju. No mesmo ano, passou a operar no Hospital Santa Isabel, convidado pelo diretor do nosocômio Dr. Gileno Lima. Exímio cirurgião, treinou uma plêiade de novos médicos como Marcos Prado, Fernando Maynard, Eduardo Bastos, entre outros. Foi cirurgião do Pronto Socorro do Hospital de Cirurgia por 11 anos. A partir de 1964 passou a atuar na Companhia Leste Brasileira onde permaneceu até 1991. É membro do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, e ainda mantém-se atuante, residindo em Aracaju/SE.

MOACYR RABELLO LEITE
Nasceu em 16 de maio de 1884 em Riachuelo/SE, filho de José Rabello Leite e Amélia de Oliveira Leite. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 16 de dezembro de 1905, defendendo a tese “Patogenia e terapêutica dos edemas”. Trabalhou em Propriá/SE, como diretor do Hospital São Vicente de Paula; foi Inspetor de Higiene durante o governo de Guilherme de Campos (1906). Foi Comendador da Ordem de Cristo. Faleceu em 18 de setembro de 1961, em Aracaju/SE, com 77 anos. Sepultado noCemitério Santa Isabel, Aju/SE.

 

   VENDAS:

  SOMESE ( 79-3211-9357)

  LIVRARIAS ESCARIZ
  (Shopping Jardins e Riomar)

  BANCA DO MINI'GOLF


   CAFÉ DO MUSEU (79 3041-0692 )

   Pálacio-Museu Olímpio Campos-
   Pça.Olímpio Campos, s/n – Centro. Telefone:


  Sugestões de verbetes,
  correções, adendos ou críticas
.


 
Mande sua mensagem, crítica e sugestão
   
Nome
Email:
Assunto
Mensagem
Anexo
 

 Copyright©2009 – Antonio Samarone de Santana, Lúcio Antonio Prado Dias e Petrônio Andrade Gomes.
 TODOS OS DIREITOS DESTA EDIÇÃO RESERVADOS AOS AUTORES
 Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, com finalidade de comercialização
 ou aproveitamento de lucros e vantagens, com observância da Lei de regência.
 Poderá ser reproduzido texto, entre aspas, desde que haja expressa menção dos nomes dos autores, título da obra, editora, edição e paginação.
 A violação dos direitos de autor (Lei 9.610/98) é crime estabelecido pelo artigo 184 do Código Penal.