O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player





Selecione uma letra ao lado!
Verbetes G

GALDINO DE CARVALHO E ANDRADE
Nasceu em 3 de outubro de 1832 em Capela/SE, filho do Tenente-Coronel Felisberto de Carvalho e Andrade e Maria Pastora de Carvalho e Andrade. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 12 de dezembro de 1856, defendendo a tese “Que socorros presta a Física à Medicina”. Atuou como clínico-geral em Maruim/SE, sendo o primeiro médico da cidade. Foi deputado estadual de 1858 a 1859. Militar, foi nomeado 2º cirurgião do Corpo de Saúde do Exército em dezembro de 1860. Faleceu em 6 de março de 1865, na Bahia , com 33 anos.

GALDINO TELLES DE MENEZES
Nasceu em 12 de maio de 1857 em Japaratuba/SE, filho de João Nepomuceno Telles de Menezes e Eulália Maria de Jesus. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 1880, defendendo a tese “Definição, fim e utilidade do parto prematuro artificial”. Secretário de governo da Província (1885-1886), inspetor de higiene (1892). Atuou em Laranjeiras e Aracaju/SE e depois em São João de Bocaina e Brotas/SP, onde faleceu em 25 de julho de 1915, com 58 anos.

GAMALIEL DA CUNHA BRITTO
Nasceu em 6 de agosto de 1861 em Maruim/SE, filho de Prudêncio Constancio da Cunha Britto e Minerva Maria do Bomfim Britto. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia defendendo a tese “Fraturas do colo do fêmur e seu tratamento”. Formou-se também em farmácia. Era pianista. Atuou em Belmonte/BA. Faleceu em Itaqui/RS em 7 de julho de 1890, com 29 anos.

GENTIL MARTINS FONTES
Nasceu em 5 de setembro de 1880 em Itabaiana/SE, filho de José Martins Fontes e D. Francisca Xavier Gomes Fontes. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 12 de abril de 1902, defendendo a tese “Aerophagia Histérica”. Foi Inspetor de Higiene, no final do Governo de Olimpio Campos (1902) e diretor do Hospital de Caridade. Em 1904 transferiu-se para a cidade de Santos, onde exerceu a clínica com sucesso. Em 1917 foi residir em Sorocaba/SE, onde foi inspetor médico escolar. Redator do Almanaque Sergipano (1898-1904), colaborou nos jornais: O Estado de Sergipe, A Razão, O Vespertino. Eximio decifrador charadístico. Usava os pseudônimos Gil d’Ernet e Gilent Feston. Faleceu em 8 de agosto de 1931, em Santos/SP, com 50 anos.

GERALDO LEITE
Nasceu em 23 de abril de 1926 em Aracaju/SE, filho de João José Ferreira Leite e Argentina Ferreira Leite. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 1950. Ainda estudante de Medicina, funda e preside o Grêmio Científico Oswaldo Cruz e é laureado com o Prêmio Fernando Luz com o trabalho “Endocrinologia e Cirurgia”, publicado na Revista Médica da Bahia. Em 1951, faz aperfeiçoamento em helmintologia, protozoologia, entomologia, hematologia e micologia com o Prof. Carlos da Silva Lacaz, Otto Bier e Samuel Pessoa, em São Paulo. Radica-se em Feira de Santana, onde instala consultório médico. De 1961 a 1964 atuou como professor assistente de Higiene da Escola de Medicina e Saúde Pública, professor de Parasitologia na mesma escola entre 1966 e 1970, professor de Parasitologia da Faculdade de Medicina da Bahia e a partir de 1970 professor titular da mesma disciplina na Escola Baiana de Medicina. Fundador e primeiro reitor da Universidade de Feira de Santana. Em 1993 é designado diretor da Escola Baiana de Medicina. Membro da Academia de Medicina da Bahia e do Instituto Baiano de História da Medicina.

GERALDO LUIZ SOUZA MOTA
Nasceu em 27 de março de 1955, em Aracaju/SE, filho de João Vieira da Mota e Maria de Lourdes Souza Mota. Irmão dos médicos José Carlos Mota e Paulo Mota. Formou-se pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Federal de Sergipe em 31 de julho de 1981. Atuou como clínico geral principalmente na cidade de Capela/SE. Faleceu em 11 de junho de 2007, em Aracaju, com 52 anos.

GERALDO MAJELA DE MENEZES
Nasceu em 1° de agosto de 1918, no engenho Beleza, município de Maruim/SE, filho de Inácio José de Menezes e Jardelina Góis de Menezes. Teve como única irmã a professora Maria da Glória Menezes Portugal. Casou-se com Maria Luiza Nabuco Menezes, filha do Dr. Ávila Nabuco. Formou-se pela Faculdade da Medicina da Bahia, em dezembro de 1943. Foi oficial do Exército durante a Segunda Guerra Mundial. Médico residente do Instituto Nacional de Cardiologia, no Rio de Janeiro (1945 – 1947). Foi um dos pioneiros da cardiologia em Sergipe. Médico do IAPC, do SAMDU e da Rede Ferroviária Federal, além de diretor da Cidade dos Menores. Depois se dedicou à atividade industrial e de pecuarista, mas nunca abandonou a medicina. Faleceu em 27 de janeiro de 2010, em Aracaju/SE, com 91 anos.

GERALDO PRADO MESQUITA
Nasceu em 2 de julho de 1932, em Capela/SE, filho de Vicente Mesquita Dantas e Maria Prado Mesquita. Formou-se pela Faculdade Católica de Medicina, em Salvador/BA, em dezembro de 1965. Após a formatura, passou a atuar na cidade de Carmópolis, como empregado da Petrobrás. Transferiu-se para Aracaju onde atuou na Prefeitura municipal como médico clínico em postos de saúde, chefe do Departamento Médico-Odontológico e Secretário Adjunto. No antigo INPS, exerceu diversas funções, inicialmente na condição de médico perito, depois chefe do grupamento médico-pericial, coordenador regional de Perícias Médicas. Especializou-se em saúde pública pela Fundação Oswaldo Cruz - FioCruz/RJ. Aposentou-se pelo INSS em 1997 e definitivamente de suas atividades profissionais no ano de 2002. Faleceu em 25 de dezembro de 2009, em Aracaju, com 77 anos.

GERSON SIQUEIRA PINTO
Nasceu em Alagoas em 1919. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 1943. Foi o primeiro médico em Sergipe a se dedicar exclusivamente à anestesia no Hospital Cirurgia, a partir de 1943, sendo o pioneiro na utilização do ciclopropano e do protóxido de azoto. Introduziu ainda o uso do curare para intubação traqueal e relaxamento muscular durante a cirurgia. Comandou ainda o serviço de eletrocardiografia do hospital. Foi médico da Fábrica Sergipe Industrial e do Serviço Médico do Senai. Após dois anos de aperfeiçoamento em São Paulo, transferiu-se em 1949 para Salvador, onde passou a lecionar como assistente de ensino na disciplina de terapêutica clínica da Faculdade de Medicina da Bahia, chegando a catedrático interino em 1959. Abandonou a anestesia, notabilizando-se como notável cardiologista em Salvador. Em 1969 foi residir em New York atuando como professor visitante da Faculdade de Medicina da Universidade de Cornell. Em 1974, foi nomeado vice-diretor da Facudade de Medicina chegando a dirigir o Hospital Universitário Professor Edgar Santos. É patrono da cadeira quinze da Academia Sergipana de Medicina. Faleceu em Salvador/BA em 1977, com 58 anos.

GILBERTO DE CARVALHO FILHO
Nasceu em 30 de abril de 1949, em Aracaju, filho de Gilberto de Oliveira Carvalho e Alaide Madureira Carvalho. Formou-se pela Faculdade de Ciência Médicas Médicas da UFS em 14 de dezembro de 1973. Atuou como pediatra e cirurgião pediátrico no IPES e em outros hospitais. Faleceu em 6 de janeiro de 2008, em Aracaju, com 58 anos.


GILBERTO REBELLO DE MATTOS
Nasceu em 14 de janeiro de 1932 em Água Preta, antigo município de Ilhéus/BA, filho do Dr. João Rebello de Mattos e Maria Augusta Rebello de Mattos. Formou-se pela Universidade Federal da Bahia em 15 de dezembro de 1956 e fez Residência em Neurologia, no Rio de Janeiro (1957-1959), na Casa da Misericórdia, no serviço de Dr. Paulo Niemeyer de quem se tornou amigo e, em seguida, passou à condição de Auxiliar do Serviço de Neurologia da mesma instituição nos anos de 1960 e 1961. Simultaneamente foi estagiário, no Rio de Janeiro, do Serviço de Eletroencefalografia da Casa de Saúde Dr. Eiras, tendo sido aluno do Dr. Helio Bello, nos anos de 1957 a 1960. Fez curso de Neuropediatria no Hospital das Clínicas da USP no ano de 1962.Voltou para a Bahia, tornou-se Professor Adjunto de Clínica Neurológica da Universidade Federal da Bahia e foi Chefe do Serviço de Neurologia e Chefe do Serviço de Eletroencefalografia do Hospital Universitário – Hospital das Clínicas Prof° Edgard Santos. Especialista em clínica neurológica e em eletroencefalografia. Publicou o livro “Enxaqueca – o controle das crises”. Foi um dos fundadores da Sociedade Brasileira de Cefaléia. Veio para Sergipe em 1988, após sua aposentadoria como professor da UFBA, atuando como eletroencefalografista do Hospital Universitário e do INSS. Faleceu em 3 de abril de 2011, em Aracaju, com 79 anos, sendo cremado no dia seguinte, em Salvador/BA

GILDÁSIO AMADO
Nasceu em 31 de agosto de 1906, na cidade de Itaporanga/SE, filho de Melchisedech Amado e Ana Amado e irmão dos escritores Genolino e Gilberto Amado, este de grande destaque nas letras brasileiras, membro da Academia Brasileira de Letras. Gildásio formou-se em medicina no Rio de Janeiro. Por muitos anos foi professor do Colégio Pedro II, lecionando também no ensino médio do Estado da Guanabara e na Faculdade Nacional de Filosofia da ex-Universidade do Brasil. Em razão de seu interesse pelas questões educacionais, exerceu funções de relevo em vários órgãos do Ministério da Educação e Cultura, sendo membro e presidente da antiga Comissão Nacional do Livro Didático; diretor da ex-Diretoria do Ensino Secundário, no período de 1956 a 1968; assessor técnico do Departamento de Ensino Fundamental e chefe da Assessoria do Ensino de 1º grau em 1971. Foi representante do Brasil no Seminário sobre Educação Média na América Latina, realizado pela UNESCO em Quito, no Equador, em dezembro de 1968. Em 1970 e 1971 participou dos grupos de trabalho para a reforma do ensino de 1º e 2º graus, e em 1972 foi membro do grupo de trabalho encarregado de definir a política do Ensino Supletivo. Todo esse empenho em prol da Educação lhe valeu o título de Cavaleiro da Ordem Nacional do Mérito Educativo. Faleceu em 3 de maio de 1983, no Rio de Janeiro/RJ, com 76 anos.

GILENO ALMEIDA COSTA
Nasceu em 4 de agosto de 1909, na fazenda Novo Oriente, Riachão do Dantas/SE, filho do pecuarista José da Silveira Costa e de Maria Rosa de Almeida Costa. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 1931, defendendo a tese "Considerações sobre Espasmofilia Latente". Após formatura, fixou residência em Itabaiana/SE, atuando na área de clínica médica, realizando ainda pequenas cirurgias e procedimentos obstétricos. Foi Diretor Fundador do Hospital de Caridade, além de Chefe do 2º Distrito Sanitário, que compreendia a região centro do Estado. Aposentou-se em 1956, fixando residência em Aracaju, mas continuou atendendo a sua clientela de Itabaiana. Trabalhou na fundação do Frigorífico Aracaju, sendo seu primeiro diretor. No âmbito social se destacou como fundador da Associação Atlética de Itabaiana. Com seus esforços, somados ao da população itabaianense, conseguiu erguer na praça da matriz a sede social da Associação Atlética. Em 1993 foi homenageado pela Associação Médica Brasileira com o Título de Sócio Jubilado. Como reconhecimento aos serviços prestados a esta cidade recebeu em 1996, da Câmara de Vereadores o título de cidadão itabaianense. Faleceu em 30 de novembro de 2001, com 92 anos.

GILENO DA SILVEIRA LIMA
Nasceu em 3 de abril de 1920 em Cachoeira/BA, filho de Genésio Fernandes Lima e Domecília da Silveira Lima. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 1944. Clinicou inicialmente em Laranjeiras. Transferiu-se para Aracaju, onde passou a atuar também no setor bancário, industrial e comercial. Foi presidente da Associação Comercial de Sergipe e diretor do Hospital Santa Isabel, onde fez uma grande e transformadora reforma. Foi diretor do Serviço de Saúde e Higiene do Trabalho do SESI. Secretário de Medicina Social do INAMPS. Pró-Reitor de Administração da UFS e Delegado Federal do Ministério da Saúde. Foi prefeito de Aracaju por 4 meses. Idealizou e comandou o processo de fundação da Academia Sergipana de Medicina, sendo seu Presidente de Honra. Recebeu da Federação Brasileira das Academias de Medicina a Medalha de Honra ao Mérito Médico Nacional. Faleceu em 5 de maio de 2006, em Aracaju, com 86 anos.

GILTON MACHADO RESENDE
Nasceu em 27 de junho de 1937, em Aracaju/SE, filho de João Rezende e Maria de Lourdes Machado Rezende. Quando criança, em decorrência de uma queda, teve traumatismo abdominal e ruptura do baço, sendo operado de urgência pelo Dr. Augusto Leite, que lhe retirou o órgão lesionado, constituindo-se na primeira esplenectomia realizada em Sergipe, por volta de 1945. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 1962. Atuou inicialmente nas áreas de ginecologia e obstetrícia em Salvador, realizando partos na Maternidade Tsila Balbino e em domicílios, optando depois e definitivamente pela clínica médica, especialidade que o projetou profissionalmente, tornando-se uma referência. Regressou a Aracaju três anos após formado. Atuou no Hospital de Cirurgia e trabalhou no Departamento de Estradas e Rodagens e no DNOCS. Foi professor da disciplina de clínica médica na Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Sergipe durante 28 anos. Membro do Conselho Regional de Medicina de Sergipe de 1974 a 1984, do qual foi presidente. Dirigiu o Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da UFS, Conselheiro da CEME e Secretário de Estado da Saúde de Sergipe. Implantou as enfermarias de clínica médica do Hospital Universitário. Aposentou-se de suas atividades profissionais na década de 1990, passando a atuar com destaque no Lions Clube Aracaju Centro. Faleceu em  30 de setembro de 2012 em Aracaju e teve o seu corpo formolizado e doado à UFS por desejo expresso manifestado em vida.

GLAYDE SELMA CHAGAS VASCONCELOS
Nasceu em 17 de abril de 1959, em Aracaju/SE, filha de Adevaldo Chagas e Valmira Chagas Barreto. Formou-se pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Federal de Sergipe em 15 de agosto de 1988. Atuou como clínica geral na cidade de Carira/SE, no Hospital e Maternidade Alda Chagas Nunes. Faleceu em 1991, com 32 anos.

GONÇALO DE FARO ROLLEMBERG
Nasceu em 13 de setembro de 1860, no Engenho Maria Teles, em Maruim/SE, filho de Manuel Rollemberg de Menezes e Maria de Faro Rollemberg, conhecida como Maria do Topo, referindo-se ao engenho do qual era senhora. Formou-se pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 15 de dezembro de 1881, defendendo a tese “Da icterícia”. De volta a Sergipe, o exercício da medicina foi uma atividade eventual, dedicando-se às atividades como grande proprietário rural e principalmente, às atividades políticas, que o ocupavam mais. Mesmo assim chegou a publicar inúmeros trabalhos científicos, entre eles ”Das Colchicacias e Seus Produtos Farmacêuticos Anestésicos” e ”Hepatite Aguda”. Exerceu os mandatos de deputado provincial (1881), Vice-presidente do Estado no biênio 1894 a 1895. Senador da República de 1918 a 1926. Nomeia a rua Senador Rollemberg em Aracaju. Faleceu em 14 de setembro de 1927, em Aracaju/SE, com 67 anos. Sepultado no Cemitério de Japaratuba/SE.

GONÇALO RABELLO LEITE
Nasceu em 27 de setembro de 1864 em Riachuelo/SE, filho de Antônio Rabello Leite e Zelina Amélia de Almeida Leite. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 18 de dezembro de 1886 defendendo a tese “Tísica tuberculosa”. Atuou por pouco tempo em Aracaju/SE, transferindo-se depois para São Paulo e posteriormente para Pilar, São Miguel e Penedo/AL, onde faleceu em 4 de dezembro de 1912, com 48 anos.

GOTHARDO CORREIA DE ARAÚJO JÚNIOR
Nasceu em 28 de setembro de 1889 em Rosário do Catete/SE, filho de Gothardo Correia de Araújo e Maria Cordolina de Britto Araujo. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia inicialmente em farmácia (1907) e depois em medicina em 21 de dezembro de 1917, defendendo a tese “Da profilaxia da sífilis”. Inaugurou a farmácia Globo (1912) no Terreiro de Jesus em Salvador. Deputado estadual por Sergipe (1930). Pioneiro na Bahia de voar em dirigíveis. Faleceu em 4 de dezembro de 1982, em Salvador/BA, com 93 anos.

GUILHERME PEREIRA REBELLO
Nasceu em 5 de junho de 1858, em Aracaju/SE, filho do médico Guilherme Pereira Rebello e Francisca Ribeiro Viana Rebelo. Recebeu o grau de doutor em medicina pela Faculdade da Bahia em 21 de dezembro de 1878. Posteriormente obteve na mesma instituição o grau de farmacêutico. Foi nomeado em 25 de agosto de 1879, 2º cirurgião do Corpo de Saúde do Exército servindo por mais de sete anos no Rio Grande do Sul, em cuja fronteira esteve como médico da comissão de engenheiros militares incumbido de fundar a Colônia Militar do Alto Uruguai. Em 1885, em seguida a dois concursos, entrou para o Corpo docente da Faculdade de Medicina da Bahia, como adjunto, cargo que mais tarde foi denominado “Substituto” e depois “professor extraordinário”. Conquistou no antigo Liceu, hoje “Ginásio da Bahia”, em outubro de 1890, a cátedra de professor da língua inglesa. Lente Catedrático de Patologia Geral da Faculdade de Medicina da Bahia, sendo depois transferido para a cátedra de Anatomia e Fisiologia Patológicas. Desempenhou ainda as funções de membro do Conselho Sanitário do Ensino da Bahia, em cuja capital exerceu a clínica e as de membro do Conselho Médico Legal. Atraído pela política e eleito membro do Conselho Municipal da capital para o quatriênio de 1908-1911, foi depois eleito deputado estadual para o biênio de 1909-1910 e reeleito para o de 1911-1912. Foi membro da Academia Nacional de Medicina (1919), da “Sociedade de Medicina e Cirurgia” do Rio de Janeiro, do “Instituto Geográfico e Histórico” da Bahia, da “Academia Baiana de Letras” e da Sociedade de Medicina” da Bahia. Seu quadro em óleo sobre tela faz parte da galeria dos Professores Catedráticos e Titulares da Sala de Congregação da Faculdade de Medicina da Bahia. Faleceu em 19 de dezembro de 1928, em Niterói /RJ, com 70 anos.

 

   VENDAS:

  SOMESE ( 79-3211-9357)

  LIVRARIAS ESCARIZ
  (Shopping Jardins e Riomar)

  BANCA DO MINI'GOLF


   CAFÉ DO MUSEU (79 3041-0692 )

   Pálacio-Museu Olímpio Campos-
   Pça.Olímpio Campos, s/n – Centro. Telefone:


  Sugestões de verbetes,
  correções, adendos ou críticas
.


 
Mande sua mensagem, crítica e sugestão
   
Nome
Email:
Assunto
Mensagem
Anexo
 

 Copyright©2009 – Antonio Samarone de Santana, Lúcio Antonio Prado Dias e Petrônio Andrade Gomes.
 TODOS OS DIREITOS DESTA EDIÇÃO RESERVADOS AOS AUTORES
 Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, com finalidade de comercialização
 ou aproveitamento de lucros e vantagens, com observância da Lei de regência.
 Poderá ser reproduzido texto, entre aspas, desde que haja expressa menção dos nomes dos autores, título da obra, editora, edição e paginação.
 A violação dos direitos de autor (Lei 9.610/98) é crime estabelecido pelo artigo 184 do Código Penal.