O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player





Selecione uma letra ao lado!
Verbetes B
BALTHAZAR VIEIRA DE MELLO
Nasceu em 27 de maio de 1857, em Divina Pastora/SE, filho de Balthazar Vieira de Mello e Rosa Maria de Mello. Formou-se pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 15 de setembro de 1883, defendendo a tese “Natureza e tratamento da elefantíase dos árabes”. Colaborou para o “Jornal do Commercio” (RJ), “O Paiz” (RJ), “Correio Paulistano” (SP). Membro titular da Academia Nacional de Medicina e membro-correspondente do Círculo Médico Argentino. Redator da “Annual of the Universal Medical Sciences”, “União Médica”, “Imprensa Médica”. Exerceu a medicina em São Paulo, onde foi funcionário público e escritor. Intelectual de destaque no campo da inspeção médica nas escolas, sendo considerado o pioneiro em São Paulo. Foi o primeiro diretor da Inspeção Escolar paulista, de 1911 a 1920 e médico do Serviço de Higiene em São Paulo. Escreveu, entre outros: “Nota sobre um caso de encefalopatia histérica, reputado sifilítica”, “Da heredo-sífilis como fator patogênico da histeria e da epilepsia”, “Paralelo entre a febre amarela e a febre tifóidea”, “A Organização do Serviço de Inspeção Médico Sanitária nas Escolas em São Paulo”, A higiene na escola (1902) e “Higiene Escolar e Pedagogia” (1917).

BASÍLIO DOS SANTOS AMARAL
Nasceu em 15 de abril de 1914, em Maruim/SE, filho de Jonas da Silva Amaral e Isaura dos Santos Amaral. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em dezembro de 1939. Atuou como clínico geral e tornou-se anestesista do Hospital de Cirurgia. Médico do INSS. Tenente do Exercito. Aposentou-se em 1982. Faleceu em 26 de abril de 1999, em Aracaju/SE , com 85 anos. Sepultado no Cemitério Santa Isabel, Aju/SE.

BENEDITO DE OLIVEIRA
Nasceu em 13 de março de 1949, em Itabaiana/SE, filho de João Batista de Oliveira e Getália Cedro de Oliveira. Formou-se pela Faculdade de Ciências Médicas da UFS em 13 de dezembro de 1974. Exerceu a clínica psiquiátrica no Hospital Adauto Botelho e no INAMPS. Presidiu o Clube dos Médicos de Sergipe. Faleceu em 16 de dezembro de 2002, em Aracaju/SE, com 53 anos.

BENEDICTO DE OLIVEIRA GUEDES
Nasceu em 21 de abril de 1910, em São Fidélis/RJ, às margens do Rio Paraíba do Sul, filho de Antônio José Guedes e Adélia Dutra Guedes. Com 15 anos de idade transferiu-se para Aracaju. Em 1936, formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia, retornando em seguida para Aracaju. Seu primeiro emprego foi no IAPM (Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Marítimos), do qual nunca se afastou. Candidatou-se a deputado estadual pelo antigo PSB, mas não se elegeu. Especializou-se nas doenças das vias urinárias. Atendeu ainda no Instituto do Açúcar e do Álcool (IAA), no Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Ferroviários e Empregados em Serviços Públicos (IAPFESP) e no Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Comerciários (IAPC). Depois da fusão dos institutos previdenciários, permaneceu no INPS por muitos anos. Faleceu em 20 de outubro de 1974, em Aracaju/SE, com 64 anos.

BENITO DA SILVA
Nasceu em 8 de novembro de 1930 no Engenho Cajuhype, em Brejo Grande/SE, filho do Cônego José Ferreira Machado e Maria José da Silva. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 15 de dezembro de 1957. Em seguida, foi atuar em Brejo Grande/SE. Atuou ainda nas cidades sergipanas de Japoatã e Pacatuba. Sócio Jubilado da Associação Médica Brasileira e Sociedade Médica de Sergipe em 1987. Faleceu em Aracaju em 11 de junho de 2011, com 80 anos, sendo sepultado na capela da fazenda Cajuhype, em Brejo Grande.

BENJAMIN ALVES DE CARVALHO
Nasceu em 20 de setembro de 1904, em Rio Real/BA, filho de Bento Alves de Carvalho e de Stael Souza Dantas. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 27 de dezembro de 1927. Participou da Revolução Constitucionalista de 1932 atendendo convocação do interventor Maynard Gomes. Especializou-se em dermatologia e urologia. Dirigiu o Hospital de Cirurgia em 1945. Foi deputado estadual pela UDN e Secretário da Saúde no governo Leandro Maciel. Em 1953, ao lado de Augusto Leite, Garcia Moreno, Juliano Simões, Basílio Amaral e Felte Bezerra, compôs a primeira diretoria da Sociedade Civil Mantenedora Faculdade de Medicina, na condição de 1º Secretário, destacando-se para a fundação da Faculdade de Medicina de Sergipe, que somente viria a acontecer em 1961 no governo de Luiz Garcia. Lecionou a disciplina de História da Medicina. Manteve-se sempre muito ligado ao Hospital de Cirurgia, voltando à sua direção em 1963. Presidiu o Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe. É patrono da cadeira quatro da Academia Sergipana de Medicina. Faleceu em 29 de setembro de 1995, em Aracaju/SE, com 91 anos.

BENJAMIN FERNANDES DA FONSECA
Nasceu em 31 de março de 1862, em Boquim/SE, filho de José Fernandes da Fonseca e Maria Francisca de São José. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 10 de dezembro de 1887, defendendo a tese “Febre tífica”. Foi presidente do Conselho da Intendência da Vila de Boquim em 1890. Foi militar (Capitão Médico do Exército). Como militar, atuou em Foz do Iguaçu, Rio de Janeiro e na guerra de Canudos. Faleceu em 25 de julho de 1906, em Óbidos/PA, com 44 anos.

BENJAMIM OCTÁVIO DANTAS LEITE
Nasceu em 23 de setembro de 1914, em Rio Real/BA, filho de Octavio de Souza Leite e Ana Heduviges Dantas de Carvalho Leite. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 1941. Atuou na clínica pediátrica nos hospitais de Aracaju e mantece consultório privado. Faleceu em janeiro de 2008, em Aracaju/SE, com 94 anos.

BERILLO VIEIRA LEITE
Nasceu em 16 de fevereiro de 1878, no engenho São Félix em Santa Luzia do Itanhy/SE, filho do Major Sisenando de Souza Vieira e Adelaide Leite Vieira, irmão do médico João Vieira Leite. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 22 de dezembro de 1906, defendendo a tese “Da Rachistovainisação”. Foi clinico em Estância, depois em Aracaju, onde foi nomeado Chefe de Saúde dos Portos em 1909. Faleceu em 1º de junho de 1952, em Aracaju/SE, com 74 anos. Sepultado no Cemitério Santa Isabel, Aju/SE.

BERNARDINO MITIDIERI
Nasceu em 24 de outubro de 1919 em Salvador/Ba, filho de Antônio Mitidieri e Etelvina Cesarano Mitidieri. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 13 de dezembro de 1944. Chegou a Sergipe em fevereiro de 1946, na cidade de Tobias Barreto, passando a atuar no Hospital S. Vicente de Paula e no Posto de Puericultura. Em 1950, através de convênio firmado entre o governo do Estado de Sergipe e os municípios de Boquim, Riachão do Dantas e Tobias Barreto, passou a exercer suas funções nos três municípios citados. Em 1952 passou a residir na cidade de Boquim. Em 27 de março de 1966 recebeu título de cidadão honorário de Boquim. Em 1989 recebeu o título de sócio jubilado da Associação Médica Brasileira e da Sociedade Médica de Sergipe, considerando os relevantes serviços prestados como profissional da medicina e o seu passado ético. Em 19 de outubro de 1999 a Assembléia Legislativa do Estado de Sergipe concedeu-lhe a Medalha da Ordem do Mérito Parlamentar. Em 28 de agosto de 2001 foi agraciado pela Prefeitura Municipal de Boquim com a Medalha Cultural Hermes Fontes. Em 7 de junho de 2003 foi agraciado pela Prefeitura de Tobias Barreto com a medalha do Mérito Tobias Barreto. Faleceu em 6 de fevereiro de 2009, em Aracaju, com 90 anos, sendo sepultado em Boquim/SE. 
 

   VENDAS:

  SOMESE ( 79-3211-9357)

  LIVRARIAS ESCARIZ
  (Shopping Jardins e Riomar)

  BANCA DO MINI'GOLF


   CAFÉ DO MUSEU (79 3041-0692 )

   Pálacio-Museu Olímpio Campos-
   Pça.Olímpio Campos, s/n – Centro. Telefone:


  Sugestões de verbetes,
  correções, adendos ou críticas
.


 
Mande sua mensagem, crítica e sugestão
   
Nome
Email:
Assunto
Mensagem
Anexo
 

 Copyright©2009 – Antonio Samarone de Santana, Lúcio Antonio Prado Dias e Petrônio Andrade Gomes.
 TODOS OS DIREITOS DESTA EDIÇÃO RESERVADOS AOS AUTORES
 Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, com finalidade de comercialização
 ou aproveitamento de lucros e vantagens, com observância da Lei de regência.
 Poderá ser reproduzido texto, entre aspas, desde que haja expressa menção dos nomes dos autores, título da obra, editora, edição e paginação.
 A violação dos direitos de autor (Lei 9.610/98) é crime estabelecido pelo artigo 184 do Código Penal.